Publicidade
 
COLUNA DE HOJE
50ª Expo Prudente
Agenda
Amigos dos Trígonos
Angélica Bongiovani
Apea
Atuação Parlamentar
Baladas
Cidadania Italiana
Cidades da Região
Cinema
Claudia Riecken
Comportamento e Sexualidade
Concursos & Empregos
Crônicas de José Dassi
Cultura
Curiosidades
Decoração & Paisagismo
Desenvolvimento Holístico
Desenvolvimento Pessoal
Diário da Motocicleta
Diário de Buenos Aires
Diário de Londres
Diário de Singapura
Dicas do Chef
Dr.Belmiro d'Arce
Empresas & Negócios
Entrevistas
Espaço Literário
Esportes
Everton Souza
Fábulas Fabulosas
Festas
Galeria de Artes
Gotas de Reflexões
Guia de Prudente
Hélio Martinez
Hospital Regional do Câncer
Intercâmbio & High School
Iracema Caobianco
Isso é Dez Pra Mim
Letícia Martins
Medicina 2010
Minhas Viagens
Nas ondas do rádio
Noticias da Toledo
Nutrição e Atividade Física
O Imparcial
O Que Prudente Tem de Bom
Opinião
Painel do Couro
Painel Rural
Personalidades Prudentinas
Presidente Prudente
Prudenshopping News
Prudentinos pelo mundo
Renata de Luca
Residencial Damha
Responsabilidade Social
Rotary on line
Rubens Shirassu
San Fernando
Saudades Prudentinas
Saúde
SAÚDE MENTAL
Segurança & Tecnologia
Sinomar Calmona
Stúdio Desirée Soares
Tânia Rodrigues
Tênis Clube
Terapia Familiar
Turismo
Últimas Notícias
Veiculos

1 | Leitores OnLine

Total de Visitas
3557589

 

 

 
 

FUMO x DOENÇA PERIODONTAL


Doença periodontal é infecção que atinge estruturas que sustentam os dentes, como gengiva, osso e ligamento periodontal.

Se a placa (cálculo ou tártaro) não é removida pela escovação e o fio dental, torna-se dura e porosa). Suas bactérias produzem toxinas que irritam a gengiva causando infecção (gengivite), que sem tratamento pode causar mal hálito, sangramento gengival e eventualmente, perda do dente.

O fumo é considerado o principal fator de risco. Eleva o índice de bactérias, ocasionando maior virulência da placa bacteriana e conseqüente progressão da doença.
Além do fumo, hábitos como, charuto, cachimbo, maconha e crack também levam às periodontopatias, retardam a reparação óssea após tratamento, e interferem no processo de osseointegração, podendo até contra-indicar reabilitações extensas e implantes dentários.

CONSEQUÊNCIAS
O fumantes têm higienização oral piorada, mas com orientação profissional a desvantagem pode desaparecer ou tornar-se insignificante em relação ao não fumante. Nota-se que em fumantes o tipo de microorganismos presente é diferente em relação aos não fumantes, pois certos grupos de bactérias são excluídas ou acrescidas da flora bacteriana. Os fumantes estão mais propensos à maior severidade da doença periodontal.

Durante limpeza profissional o tártaro deve ser removido por completo, e se permanecer algum vestígio embaixo da linha gengival, as bactérias podem “atacar” o tecido gengival e causar descolamento da gengiva, afastando-a do dente. Quando isso acontece, a bolsa periodontal se forma e fica cheia de bactérias causadoras da doença. Se não houver tratamento, a periodontite irá progredir e a bolsa fica cada vez mais profunda até a perda total do suporte do dente. Estudos mostram que fumantes perdem mais dentes do que os não fumantes.

Outra conseqüência é a recessão gengival. A gengiva afasta -se da coro, deixando a raiz exposta e susceptível à cárie, sensibilidade com frio e toque.

TRATAMENTO
As condições dos tratamentos podem variar dependendo do estágio de evolução da doença periodontal.

“O quanto antes se instituir uma higiene bucal adequada e eliminar o hábito de fumar menor será a exposição das estruturas que sustentam os dentes as agressões causada pela doença, ressaltando porém, que as seqüelas da doença periodontal ficam’’.

Autora:
DRA. CRISTIANE NEVES ALESSI PISSULIN
*Especialista em Odontopediatria e Periodontia
Rua Dr. Gurgel, 1026, fones 222.2430/9772-6881

 

VOLTAR
Publicada em: 18/02/05
 
 
Sinomar.com.br © Direitos Reservados
Design by Web Argon